A NOÇÃO DE AGENTE RACIONAL PERMITIDA PELOS IMPERATIVOS KANTIANOS

A relação entre os IH e o IC

  • Allyson Pereira de Almeida Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: agente racional; imperativos; esclarecimento; razão prática; máximas

Resumo

O intuito deste artigo consiste em compreender a noção de agente racional subjacente à discussão envolvendo os imperativos kantianos. Paralelo a isso, propomos como finalidade a necessidade de uma aproximação entre os Imperativos Hipotéticos (IH) e o Imperativo Categórico (IC). Para alcançarmos esse objetivo, iremos nos valer das contribuições de Allen Wood, Henry Allison e outros autores dedicados ao estudo e ao esclarecimento das principais asserções apresentadas por Immanuel Kant. Ao longo das duas seções nas quais este trabalho se subdivide, veremos, por um lado, a reflexão sobre a noção de indivíduo encontrada no argumento para a derivação dos imperativos e, por outro, a exposição de premissas cuja intenção consiste em apontar elementos necessários para viabilizar a relação de proximidade entre os mandamentos. Por último, acreditamos na importância deste artigo, especialmente devido às acusações inseridas ao sistema kantiano e tomadas por um rigor excessivo de suas afirmações, o que deve ser esclarecido mediante uma reflexão em torno de suas principais asserções.

Referências

ALLISON, Henry E. Kant’s Groundwork for the Metaphysics of Morals. Oxford: Oxford University Press, 2011.
________. Essays on Kant. Oxford: Oxford University Press, 2012.
BECK, Lewis White. A Commentary on Kant’s Critique of Practical Reason. 2ºed. Chicago: Chicago University Press, 1966.
GUYER, Paul. Kant on Freedom, Law and Happiness. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.
HENRICH, Dieter. The Unity of Reason: Essays on Kant’s Philosophy. Harvard: Harvard University Press, 1994.
HÖFFE, Otfried. Immanuel Kant. Trad.: Viktor Hamm e Valerio Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Trad.: Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. 8ºed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.
________. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Trad.: Paulo Quintela. São Paulo: Edições 70, 2007.
________. Crítica da Razão Prática. Trad.: Valerio Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2016.
________. Lectures on Ethics (editado por Peter Heath e J. B. Schneedwind). Cambridge: Cambridge University Press, 2005.
________. Carta de Kant a Marcus Herz. Disponível em: io.br/import/pdf_articles/OQNFP_32_3_paulo_r_licht_dos_santos.pdf>. Acessado em 10 de março de 2021.
WOOD, Allen W. Kant’s Ethical Thought. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.
________. Kantian Ethics. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.
Publicado
2021-07-16
Seção
Artigos