A VERDADE COMO QUESTÃO

nota sobre a resposta fenomenológica à noção transcendental do criticismo

  • Ana Rosa Lessa Luz Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Verdade. Epoche. Cogito. Sujeito. Fenomenologia.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar, em linhas gerais, a questão da busca de um conhecimento verdadeiro e a resposta fenomenológica dada a ela, a partir de correntes filosóficas que se convergem e/ou em muito dialogam entre si. Para dar conta desta empreitada, certos filósofos foram elencados, de maneira a representarem tais correntes e por defenderem certos conceitos que formam um élan na linha filosófica a ser desenhada, aqui. Montando, em termos deleuze-guattarianos, um mapa do pensamento, então, em um primeiro momento, ergue-se uma arquitetura histórico-argumentativa sobre a verdade enquanto questão filosófica no ceticismo, no racionalismo, no empirismo e no criticismo. Nele, são atravessados Pirro, Descartes, Hume e Kant. Filósofos que constroem, no texto, sua controvérsia a partir dos conceitos de epoche, de cogito e de sujeito. Enquanto que, no segundo e último momento, encontramos formulada a resposta fenomenológica à controvérsia citada, sobretudo acerca da revolução copernicana gerida por Kant, seguida pela defesa dos mesmos conceitos, mas que, aqui, ganham consistência através das vozes de Husserl, Bachelard e Sartre.

Referências

ANTISERI, Dario; REALE, Giovanni. História da filosofia: de Spinoza a Kant. Vol. 4. Trad. Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, 2005.
______. História da filosofia: de Nietzsche à Escola de Frankfurt. Vol. 6. Trad. Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, 2006.
BACHELARD, Gaston. “Idealismo discurssivo”. In: Bachelard [estudos]. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008, p.77-86.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Fiosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.
DELEUZE, Gilles. A filosofia crítica de Kant. Trad. Germiniano Franco. Lisboa: Edições 70, 2000.
DESCARTES. R. Meditações. Coleção Os Pensadores. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Nova Cultural, 1996.
EMPÍRICO, Sexto. “Hipotiposes Pittônicas. Livro I”. Trad. Danilo Marcondes. In: O que nos faz pensar. Vol. 9, n. 12, 1997, p. 115-122. Disponível em: http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/130. Acesso em: 18 de março de 2021.
HUME, David. Investigações acerca do entendimento humano. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1999.
______. Tratado da natureza humana. Trad. Déborah Danowski. São Paulo: Editora UNESP e Imprensa Oficial do Estado, 2001.
HUSSERL, Edmund. Meditações cartesianas: introdução à fenomenologia. Trad. F. Oliveira. São Paulo: Madras, 2001.
KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Manuela Pinto Dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. 5ª ed. Coimbra: Fundação Calouste, 2001.
______. Prolegômenos a toda a Metafísica futura. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2008.
SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Trad. Vergílio Ferreira. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
______. O ser e o nada. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes, 2011.
______. A transcendência do Ego. Trad. J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. Petrópolis: Vozes, 2013.
Publicado
2021-07-16
Seção
Artigos