EM BUSCA DO PRAZER

Percurso evolutivo do pensamento hedonista

  • Christopher Smith Bignardi Neves Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Hedonismo, Prazer, Michel Onfray

Resumo

Este ensaio teórico conceitua-se o hedonismo a partir de Sócrates, das escolas cirenaica, epicurista e utilitarista até culminar nos conceitos de hedonismo pós-moderno na concepção de Michel Onfray. O objetivo consiste em descrever de modo sintético os argumentos acerca do hedonismo construído nos últimos 2500 anos. Desta forma após análises críticas foram elaborados quadros comparativos que possibilitam confrontar os principais pensadores de cada período mencionado. O materialismo hedonista de Michel Onfray é o mais perceptível na contemporaneidade, possivelmente por refletir os pensamentos desta época. Nas considerações finais é realizada uma reflexão sobre o impacto do período pandêmico na busca pelo prazer, comprovando que o ser humano necessidade de prazeres efêmeros para o bem-estar.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
AGGIO, J. O. Prazer e desejo em Aristóteles. Salvador: EDUFBA, 2017.
AIRAKSINEN, T. The Philosophy of the Marquis de Sade. London and New York: Routledge, 1991.
BARTHES, R. Sade, Fourier, Loyola. 1. ed. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 2005.
BENTHAM, J. Uma Introdução aos Princípios da Moral e da Legislação. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
BFM TV. Michel Onfray: "Vous avez la possibilité aujourd'hui d'être raciste, homophobe, antisémite si vous le faites au nom du Coran". Paris, BFM TV, 12 de jan. 2020. Disponível em: https://www.bfmtv.com/societe/michel-onfray-vous-avez-la-possibilite-aujourd-hui-d-etre-raciste-homophobe-antisemite-si-vous-le-faites-au-nom-du-coran-1839647.html#content/contribution/edit. Acesso em: 17 de jan. 2020.
BOCCA, F. V. Do estado à orgia: ensaio sobre o fim do mundo. Curitiba: CRV, 2016.
BRAGA, B. B. O hedonismo qualitativo de J. S. Mill [recurso eletrônico]. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2018.
BROCHARD, V. Etudes de philosophie ancienne et de philosophie moderne. Paris: Vrin, 1954.
CASTRO, C. C. O sistema filosófico do Marquês de Sade. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas. 207 fls. 2006.
CASTRO, C. C. Os libertinos de Juliette e a libertina de Sade. Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. 378 fls. 2012.
CHÂTEAU DE MONTSOREAU. Musée d'Art Contemporain. Prix François Morellet. Disponível em: www.chateau-montsoreau.com/wordpress/fr/prix-francois-morellet/. Acesso em: 17 de jan. 2020.
CHEVASSUS-AU-LOUIS, N. La petite usine de Michel Onfray. Mediapart, 2015. Disponível em: https://www.mediapart.fr/journal/culture-idees/110615/la-petite-usine-de-michel-onfray. Acesso em: 17 de jan. 2020.
COSTA, A. L. F. Ateísmo e Materialismo hedonista – Um balanço crítico da ateologia de Michel Onfray. Dissertação de Mestrado. Instituto de Ciências Humanas. Universidade de Brasília. 123fls. 2010.
CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.
DE VOS, J. From La Mettrie’s voluptuous machine man to the perverse core of psychology. Theory & Psychology, v. 21, n. 1, p. 67-85, 2011.
FALVEY, J. F. Critical. In. LA METTRIE, J. O. Discours sur le Bonheur. Oxford: Voltaire Foundation, 2016.
FARIAS, J. H. C.; THOMAS, L. F.; FEIL, G. S. A Escritura Sadiana: Marquês de Sade sob a perspectiva de Roland Barthes. In. Anais. XVIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Caxias do Sul. 2017.
FEERTCHACK, A. Privé de France Culture, Michel Onfray arrête l'Université populaire de Caen. LEFIGARO, 28 de set. 2018. Disponível em: https://www.lefigaro.fr/actualite-france/2018/09/28/01016-20180928ARTFIG00356-prive-de-france-culture-michel-onfray-arrete-l-universite-populaire-de-caen.php. Acesso em: 17 de jan. 2020.
FERNANDES, L. M. O homem-máquina de La Mettrie. Revista Alamedas, vol. 2, n. 1, p. 77-86, 2014.
FRANCALANCI, C. Sobre o prazer: o discurso socrático e o silêncio de Filebo. In Anais de Filosofia Clássica, vol. VIII nº15, 2014.
FRÉDÉRIC II. Éloge de la Mettrie. Corpus - revue de philosophie, n. 5/6. Paris: 1987. Disponível em: https://revuecorpus.com/pdf/CORPUS%20N%C2%B05:6.pdf. Acesso em: 15 de jan. 2020.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4º ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GRAS, M. LA METTRIE, J. O. Obra filosófica. Madri: Editora Nacional, 1983.
LA METTRIE, J. O. L’Homme-machine. Paris: Numilog, 2001.
LA METTRIE, J. O. Anti-Sénèque. In: Œuvres philosophiques. Paris: 1796. Disponível em http://dx.doi.org/10.3931/e-rara-13777. Acessado em 20 janeiro 2020.
LAERTIOS, D. Vidas e obras dos filósofos ilustres. Brasília: Editora Universitária de Brasília, 2008.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico. 4 ed-São Paulo. Revista e Ampliada. Atlas, 1992.
LAMPE, K. The Birth of Hedonism: The Cyrenaic Philosophers and Pleauser as a Way of Life. Princeton & Oxford: Princeton University Press, 2015.
LE HUFFINGTON POST. Après un AVC, Michel Onfray annule une conference. Actualités: 06 de fev. 2018. Disponível em: https://www.huffingtonpost.fr/entry/apres-un-avc-michel-onfray-annule-une-conference_fr_5c92d1f0e4b06b13b1881ba4. Acesso em: 17 de jan. 2020.
LÉVY, B. Michel Onfray, naufrage. La Regle du Jeu, 22 de out. 2018. Disponível em: https://laregledujeu.org/2018/10/22/34440/michel-onfray-naufrage/. Acesso em: 18 de jan. 2020.
LUCHETA, R. A. N. O único e o indivíduo: Do ‘eu’ de max Stirner ao ‘Rebelde’ de Michel Onfray. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura em Filosofia. Universidade Católica de Santos. Santos, 2010.
MANDEVILLE, A. Sex, love and hedonism. West Sussex: Summerdale, 2001.
MARCHI, A. D. A virtude e o justo no Górgias de Platão. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Filosofia, Universidade de São Paulo. São Paulo: 2009.
MATA, J. O materialismo hedonista de Michel Onfray. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro: 2007.
MATA, J. Prazer e Rebeldia: O materialismo hedonista de Michel Onfray. Rio de Janeiro: Achiamé, 2007.
MILL, J. S. Utilitarismo. Trad: Pedro Galvão. Porto, Portugal: Porto Editora, 2005.
NASCIMENTO, D. S. Akrasia e hedonismo no Protágoras de Platão. In. CARVALHO, M.; FIGUEIREDO, V. Filosofia antiga e medieval. São Paulo: ANPOF, 2013.
OLIVEIRA, R. M. N. O Corpo em Michel Onfray. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal: 2015.
ONFRAY, M. A arte de ter prazer. São Paulo: Martins Fontes, 1999a.
ONFRAY, M. A razão gulosa: filosofia do gosto. Rio de Janeiro: Rocco, 1999b.
ONFRAY, M. A política do rebelde: Tratado de resistência e insubmissão. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.
ONFRAY, M. A potência de existir: Manifesto hedonista. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
ONFRAY, M. Contra-história da filosofia: as sabedorias antigas. Parte 1. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
ONFRAY, M. L’art du jouir: pour un materialisme hedoniste. Paris: Éditions Grasset & Fasquelle, 1991.
PULINO, L. H. C. Z. A ética de La Mettrie. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, 2005, p. 330. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/280582. Acesso em: 15 de jan. 2020.
SADE, M. Histoire de Juliette ou Les Prospérités du Vice. Paris: Union Générale d’Édition, 1976.
SILVA, M. F. Epicuro: sabedoria e jardim. Rio de Janeiro; Natal: Relume-Dumará: UFRN, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2003.
SOUZA, F. C. Escrevendo e Normalizando Trabalhos Acadêmicos. Um guia Metodológico. 2 ed-Florianópolis. Editora da UFSC, 2001.
SOUZA, O. M; PEREIRA MELO, J. J. O hedonismo de Epicuro e o hedonismo da Escola Cirenaica. In Anais do XII Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Maringá, UEM: 2013.
TEIXEIRA, J. P. O. Sobre a unidade do “Protágoras” de Platão. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Belo Horizonte: 2015.
USHER, K.; BHULLAR, N.; JACKSON, D. Life in the pandemic: Social isolation and mental health. Journal of Clinical Nursing, vol. 29, n. 1-2, 2020.
VERDE, O Aprendiz. A sinistra história do Marquês de Sade. 2015. Disponível em: http://oaprendizverde.com.br/2015/11/22/a-sinistra-historia-do-marques-de-sade. Acesso em: 14 de jan. 2020.
Publicado
2021-07-16
Seção
Artigos