FORMAÇÃO DOCENTE E CONHECIMENTO PARA ENSINAR MATEMÁTICA: UM MAPEAMENTO SOBRE INVESTIGAÇÕES NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

  • Ana Claudia Olekszyszen Unespar
  • Cristiane dos Santos Oliveira Unespar
  • Mariana Hochmann Narciso

Resumo

O presente artigo trata de um mapeamento a partir de um levantamento realizado em três periódicos nacionais, que tiveram publicações com edição temática organizada pelo Grupo de Trabalho 13 (GT-13) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) – Diferença, Inclusão e Educação Matemática. O objetivo se constituiu em identificar quais bases do conhecimento perpassam as discussões presentes em investigações do GT-13/SBEM, em contextos de formação docente na perspectiva da Educação Matemática Inclusiva. Foram encontrados doze artigos que compuseram o corpus deste estudo, os quais foram categorizados a partir da teoria Knowledge Base (SHULMAN, 1886, 1987) e articulados à perspectiva de Rodrigues (2008), no que se refere às dimensões do saber relacionadas à profissionalização docente. Para a discussão dos dados obtidos, utilizou-se a metodologia da análise de conteúdo proposta por Bardin (1977). Este estudo traz um panorama sobre os documentos legais que orientam e normatizam a formação docente na perspectiva da Educação Matemática Inclusiva e discute os aspectos do conhecimento docente mobilizados durante as práticas formativas investigadas pelas pesquisas mapeadas. Os resultados apontam contribuições de bases do conhecimento docente para ensinar Matemática, considerando uma perspectiva inclusiva, identificadas como: conhecimento pedagógico, conhecimento do aluno, conhecimento pedagógico do conteúdo e conhecimento de contextos educacionais. Conclui-se que investigações sobre formação docente são ações promissoras para discussões no âmbito do desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática.

Referências

BARROS, D.D.; PENTEADO, M.G. Contribuições da Disciplina de Libras na formação Inicial de Professores de Matemática. Perspectivas da Educação Matemática. Campo Grande, v.11, n.27, p.761-775, 2018.

BARBOSA, G.S.; NETO, C.D.C.; GIRALDO, V.A. Formação inicial de professores de matemática: crenças sobre ensino e empoderamento junto à população LGBT. Perspectivas da Educação Matemática. Campo Grande, v.11, n.27, p.605-627, 2018.

BANDEIRA, S.M.C.; GHEDIN, E.L.; BEZERRA, S.M.C.B. Conexões entre formação docente, neurociência e inclusão de estudantes cegos em escolas do Ensino Médio em Rio Branco. Educação Matemática em Revista. Brasília, n. 65, v. 24, p. 224-240, set./dez. 2019.

BERNARDES, A.; BERNARDO, F.G. Uma parceria entre a universidade e a escola especializada: as contribuições do estágio supervisionado na formação do professor de matemática para atuar com alunos com deficiência visual. Educação Matemática em Revista. Brasília, n. 65, v.24, p. 211-223, set./dez. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda. 1977.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL . Política Nacional de Educação Especial. Brasília: Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial, 1994.

BRASIL . Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996. 

BRASIL . Decreto nº. 3.298 de 20 de dezembro de 1999. Brasília: Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 1999.

BRASIL . Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL . Lei n. 10.172, de 9/1/2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001.

BRASIL . Leis, decretos, etc. Decreto n.º 5626/05, de 22 de dezembro de 2005: Regulamenta a Lei n.º 10436/02 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Brasília, 2005.

BRASIL . Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos– Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

BRASIL . O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas: Ministério da Educação. Brasília, DF: MEC, 2007 a.

BRASIL . Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação. Brasília: MEC/ SEED, 2008.

BRASIL . Plano Nacional de Educação 2014-2024: Lei nº 13.005. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014 a.

BRASIL . Lei 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão das Pessoas com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União. 2015.

BRASIL . Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 2/2015, de 09 de junho de 2015, das Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, p.13, 25 de junho, 2015 a.

CINTRA, V. P. Educação Matemática Inclusiva e PIBID: compreensões de um trabalho desenvolvido em uma escola inclusiva. Perspectivas da Educação Matemática. Campo Grande, n. 27, v. 11, p. 686-703, 2018.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, Salamanca-Espanha, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 15 julho 2020.

FELDMAN. A. Existential Approaches to Action Research. 2002. Disponível em: http://www.unix.oit.umass.edu/~afeldman/ActionResearch Papers/ Feldmaninpress.PDF. Acesso em: 15 julho 2020.

FERNANDES, C. Revisitando a base de conhecimentos e o conhecimento pedagógico do conteúdo (PCK) de profissionais de ciências. Revista Ensaio. Belo Horizonte. n. 2, v. 17, p. 500-528, mai/ago. 2015.

KALEFF, A. M. A formação de professores de matemática frente à aprendizagem ativa significativa e à inclusão do aluno com deficiência visual. Perspectivas da Educação Matemática. Campo Grande, n. 27, v. 11, p. 863-879, 2018.

KLÔH, L.M. CARNEIRO, R.F. Contribuições de uma formação continuada de professores para o ensino de matemática a alunos surdos em escolas regulares e especializadas. Educação Matemática em Revista. Brasília, n. 65, v. 24, p. 45-63, set./dez. 2019.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento. Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10ª ed. São Paulo: HUCITEC, 2007.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. Shulman. Educação. n. 2, v. 29, p. 33-49, 2004.

NOGUEIRA, C. M. I. Educação Especial Na Escola Que Atende Às Diversidades: e o Ensino De Matemática? Encontro nacional de educação matemática. 2017. Disponível em: http://www.sbemparana.com.br/eventos/index.php/EBRAPEM/XIV_EBRAPEM/papaer/viewFile/323/139. Acesso em: 09 out. 2020.

NOGUEIRA, C. I.; BORGES. F. A. Formação docente para a inclusão nos anos iniciais do ensino fundamental: uma análise a partir da formulação e adaptação de enunciados de problemas matemáticos. Educação Matemática em Revista. Brasília, n. 65, v. 24, p. 04-28, set./dez. 2019.

OLIVEIRA, D. C. Análise de Conteúdos Temático-Categorial: Uma proposta de sistematização. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, n. 16(4), p.569-576, 2008.

PENA, G. B. O.; MESQUITA, N. S. A. Reflexões sobre o conhecimento profissional docente e a composição de conhecimento Pedagógico do conteúdo. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, Brasil, 2017.

PINTO, G. M. F.; ESQUINCALHA, A. C. Narrativas sobre a formação inicial de um professor de matemática surdo. Educação Matemática em Revista. Brasília, n. 65, v. 24, p. 64-80, set./dez.2019.

RODRIGUES, D. Inclusão e Educação: doze olhares sobre a Educação Inclusiva. São Paulo: Summus Editorial, 2006.

RODRIGUES, D. Desenvolver a Educação Inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional. Inclusão: Revista Educação Especial. Brasília, n. 2, v. 4, p. 7-16, jul./out. 2008.

RODRIGUES, D.; LIMA-RODRIGUES, L. Formação de Professores e Inclusão: como se renovam os reformadores?. In: RODRIGUES, David (Org.). Educação Inclusiva. Dos conceitos às práticas de formação. Porto Alegre: Instituto Piaget, Coleção Horizontes Pedagógicos, 2011.

SHULMAN, L. S. Those who understand: Knowledge growth in teaching. Education Researcher, Thousand Oasks, California, n. 4, v. 15, p. 4-14, 1986.

SHULMAN, L. S. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard
Educational Review, v. 57, n. 1, p. 1-22, 1987.

SILVA, A.M. C.; CABRAL, C.A. F.; SALES, E.R. Percepções de alunos cegos sobre sua formação: contribuições no ensino e aprendizagem de matemática em classes inclusivas. Perspectivas da Educação Matemática. Campo Grande, n. 27, v. 11, p. 900-915, 2018.

SILVA, J.M.B.; SANTOS, A.M.; OLIVEIRA, M.E. Atendimento Educacional Especializado: contextos, processos formativos e um recorte no ensino de matemática. Educação Matemática em Revista. Brasília, n. 64, v. 24, p.195-208, set./dez. 2019.

TORISU, E.M.; SILVA, M.M. A formação do professor de matemática para a educação inclusiva: um relato de experiência no curso de matemática de uma universidade federal brasileira. Revista Paranaense de Educação Matemática. Campo Mourão, n. 09, v. 5, p. 270-285. jul./dez. 2016.
Publicado
2021-09-30
Como Citar
Olekszyszen, A., Oliveira, C. dos, & Narciso, M. (2021). FORMAÇÃO DOCENTE E CONHECIMENTO PARA ENSINAR MATEMÁTICA: UM MAPEAMENTO SOBRE INVESTIGAÇÕES NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Revista Paranaense De Educação Matemática, 10(22), 425-445. Recuperado de http://revista.unespar.edu.br/index.php/rpem/article/view/914
Seção
Artigos Científicos