ELEMENTOS ASSOCIADOS À RETENÇÃO EM CÁLCULO I: A PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DO CURSO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

  • Thaisa Carneiro da Cunha Guio
  • Leandro da Silva Barcellos

Resumo

Neste trabalho, foram analisados fatores que influenciaram a retenção na disciplina de Cálculo I de acordo com a perspectiva de estudantes/ex-estudantes da graduação em Física da Universidade Federal do Espírito Santo. Para tanto, realizamos um estudo qualitativo e do tipo exploratório, no qual os dados foram produzidos e coletados por meio de um questionário misto, no segundo semestre de 2019. O processo analítico ancorou-se na Análise de Conteúdo, e buscou interpretar percepções e vivências relativas às retenções. Com um total de 27 (vinte e sete) estudantes participantes no questionário, os fatores mais mencionados foram: a base matemática insuficiente, o nível de exigência das aulas e/ou avaliações, transtornos psicológicos e/ou problemas de saúde, bem como a postura e didática do(a) docente em sala de aula. Apesar de nossos resultados permitirem o estabelecimento de relações entre esses e outros dos diversos fatores apontados pelos(as) alunos(as), eles corroboram o fato de que a retenção em Cálculo I constitui um problema estritamente multifacetado e complexo.

Referências

ALMEIDA, L. S.; SOARES, A. P.; FERREIRA, J. A. Transição e adaptação à Universidade: Apresentação do Questionário de Vivências Académicas. Psicologia, Lisboa, v. 14, n. 2, p. 189-208, 2000.

ALVES, K. L. Desempenho escolar e práticas culturais familiares: a relação de alunos do ensino fundamental II com a disciplina de história. Revista Educação em Questão, Natal, v. 43, n. 29, p. 7-33, mai./ago. 2012.

AMARAL, A. P.; SILVA, C. F. da. Estado de saúde, stress e desempenho acadêmico numa amostra de estudantes do ensino superior. Revista Portuguesa de Pedagogia, ano 42, n. 1, p. 111-133, 2008.
ANTENEODO, C.; BRITO, C.; ALVES-BRITO, A.; ALEXANDRE, S. S.; D’AVILA, B. N; MENEZES, D. P. Brazilian physicists community diversity, equity, and inclusion: A first diagnostic. Physical Review Physics Education Research 16, 010136, 2020.

ARRUDA, S. de M.; CARVALHO, M. A. de; PASSOS, M. M.; SILVEIRA, F. L. da. Dados comparativos sobre a evasão em Física, Matemática, Química e Biologia da Universidade Estadual de Londrina: 1996 a 2004. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 23, n. 3, p. 418-438, dez. 2006.

ÁVILA, G. Evolução dos Conceitos de Função e de Integral. Revista Matemática Universitária, n. 1. Sociedade Brasileira de Matemática, 1985.

BARBOSA, M. A. O insucesso no ensino e aprendizagem na disciplina de cálculo diferencial e integral. Dissertação (Mestrado em Educação) – PUCPR, Curitiba, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARRETO, A. O Ensino de Cálculo I nas universidades. Informativo da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), v. 6, p. 4-5, 1995.

BARROSO, M. F.; FALCÃO, E. B. M. Evasão Universitária: o caso do Instituto de Física da UFRJ. In: IX Encontro de pesquisa em ensino de Física, Anais...2004, Jaboticatubas, MG, 2004.

BARUFI, M. C. B. A Construção/Negociação de Significados no Curso Universitário Inicial de Cálculo Diferencial e Integral. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

BEZERRA, W. W. V. Avaliação para aprendizagem na disciplina de Cálculo 1: percepções de discentes e docentes da Universidade de Brasília. Tese (Doutorado em Educação, Ensino de Ciências e Matemática). Faculdade de Educação. Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

BEZERRA, W. W. V.; GONTIJO, C. H. Percepções de professores de Cálculo 1 sobre a avaliação e suas relações com as aprendizagens dos estudantes. Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão, PR, Brasil, v. 9, n. 19, p. 538-554, jul.-out. 2020.

BONAMINO, A.; ALVES, F.; FRANCO, C.; CAZELLI, S. Os efeitos das diferentes formas de capital no desempenho escolar: um estudo à luz de Bourdieu e Coleman. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 45, p. 487-499, 2010.

BRAGA, M. J.; XAVIER, F. P. Transição para o ensino superior: aspiração dos alunos do ensino médio de uma escola pública. Educar em Revista, n. 62, p. 245-259, out./dez. 2016.

CATAPANI, E. C. Cálculo em serviço: um estudo exploratório. Bolema: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro – SP, v. 14, n. 16, 2001.

CAVALCANTI, I. T. do N.; ANDRADE, C. S. M.; TIRYAKI, G. F.; COSTA, L. C. C. Desempenho acadêmico e o sistema de cotas no ensino superior: evidência empírica com dados da Universidade Federal da Bahia. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 24, n. 1, p. 305-327, 2019.

CAVASOTTO, M. Dificuldades na aprendizagem de Cálculo: o que os erros podem informar. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS, Porto Alegre, 2010.

DONEL, M. L. H. Dificuldades de aprendizagem em cálculo e a relação com raciocínio lógico formal: uma análise no ensino superior. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Filosofia e Ciências, 2015.

FAJARDO, V.; FOREQUE, F. 7 de cada 10 alunos do ensino médio têm nível insuficiente em português e matemática, diz MEC. Portal G1, seção Educação, 30 de Agosto de 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2018/08/30/7-de-cada-10-alunos-do-ensino-medio-tem-nivel-insuficiente-em-portugues-e-matematica-diz-mec.ghtml. Acesso em: 12 de mar. de 2021.

FREITAS, J. L. M. Teoria das Situações Didáticas. In: MACHADO, S. D. A. Educação Matemática: Uma (nova) introdução. EDUC 3ª ed., São Paulo, 2008.

GARBER, E. The Language of Physics: The Calculus and the Development of Theoretical Physics in Europe, 1750 – 1914. Boston: Birkhäuser, 1999.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua 2018). Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

IDOETA, P. A. Mulheres são maioria nas universidades brasileiras, mas têm mais dificuldades em encontrar emprego. BBC News Brasil, São Paulo, 10 de setembro de 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-49639664. Acesso em: 12 de mar. de 2021.

JÚNIOR, J. F. G.; BESSA, V. R. de B.; CEZANA, M. J. Um estudo sobre o baixo índice de aprovação nas disciplinas de Cálculo da Universidade Federal de Viçosa - Campus Rio Paranaíba. Revista Illuminart, ano VII, n. 13, 2015.

KLINE, M. Calculus: An Intuitive and Physical Approach. 2ª Ed. New York: Editora Dover, 1998.

LIMA, G. L. de. O ensino do Cálculo no Brasil: breve retrospectiva e perspectivas atuais. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática, Curitiba, jul. 2013.

LIMA, G. L. de; SILVA, B. A. da. O ensino do Cálculo na graduação em matemática: considerações baseadas no caso da USP. In: Anais do V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Petrópolis, RJ, 2012.

LOPES, A. Algumas reflexões sobre a questão do alto índice de reprovação nos cursos de cálculo da UFRGS. Matemática Universitária, Rio de Janeiro, n. 26/27, p. 123-146, jun./dez. 1999.

MALHOTRA, N. K. Marketing research: an applied orientation. New Jersey: Prentice-Hall, 1993.

MARTINS, J. T.; CARVALHO-SILVA, M.; STRECK, E. L. Efeitos da deficiência de vitamina B12 no cérebro. Revista Inova Saúde, Criciúma, v. 6, n. 1, p. 192-206, 2017.

NASCIMENTO, A. F.; JÚNIOR.; M. R. F. Uma análise do curso de graduação em engenharia química da UFU. Educação e Filosofia, v. 5, n.9, p. 135-146, 1990.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 1994.

MORAES, R. A.; NUNES, S. C. Uma reflexão para os supervisores escolares sobre o desempenho de alunos de escolas particulares e públicas no processo seletivo da UFU 2009/1. Revista da Católica, v. 2, n. 3, p. 412–425, 2010.

NETO, D. C. A. O Ensino e a Aprendizagem de Cálculo 1 na Universidade: Entender e Intervir. Dissertação (Mestrado – Mestrado Profissional em Matemática) – Universidade de Brasília, 2017.

OLIVEIRA, A. S. R; SILVA, I. R. Indicadores educacionais no Ensino Superior Brasileiro: possíveis articulações entre desempenho e características do alunado. Avaliação (Campinas), v. 23, n. 1, p. 157-177, 2018.

OSWALDO-CRUZ, E. R. S. A pouca presença feminina na física não reflete a proporção das mulheres na sociedade. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, 18 de fev. de 2020. Disponível em: http://www.abc.org.br/tag/mulheres-na-fisica. Acesso em: 12 de mar. de 2020.

PAES, F. N. S.; SILVA, C. V. J.; BARBOSA, P. F. M. A retenção no componente curricular de Cálculo I do curso de engenharia mecânica do Instituto Federal de Pernambuco – Campus CARUARU. Congresso Norte-Nordeste de Pesquisa e Inovação, Salvador, 2013.

PASSOS, F. G. dos, et al. Análise dos índices de reprovações nas disciplinas de Cálculo I e Geometria Analítica nos cursos de Engenharia da UNIVASF. XXXV Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia – COBENGE, 2007.

PEREIRA, V. M. C. Cálculo no Ensino Médio: Uma Proposta para o Problema da Variabilidade. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Instituto de Matemática – IM, 2009.

PIETROCOLA, M. A Matemática como estruturante do conhecimento físico. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 1, p.89-109, 2002.

PINHO, A. P. M.; DOURADO, L. C. D. C.; AURÉLIO, R. M.; BASTOS, A. V. B. A transição do ensino médio para a universidade: um estudo qualitativo sobre os fatores que influenciam este processo e suas possíveis consequências comportamentais. Revista de Psicologia, v. 6, n. 1, p. 33-47, 2015.

RAFAEL, R. C.; ESCHER M. A. Evasão, baixo rendimento e reprovações em Cálculo Diferencial e Integral: uma questão a ser discutida. Anais do VII Encontro Mineiro de Educação Matemática, Juiz de Fora, MG, 2015.

RAGHEB, M. G.; MCKINNEY, J. Campus recreation and perceived academic stress. Journal of College Student Development, v. 34, n. 1, p. 5-10, 1993.

REIS, F. da S. A tensão entre rigor e intuição no ensino de Cálculo e Análise: a visão de professores-pesquisadores e autores de livros didáticos. Tese (Doutorado em Educação) –Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2001.

RÉVILLION, A. S. P. A Utilização de pesquisas exploratórias na área de Marketing. Revista Interdisciplinar de Marketing, v. 2, n. 2, p. 21-37, 2003.

REZENDE, W. M. O ensino de cálculo: dificuldades de natureza epistemológica. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1989.

ROLDÃO, M. C. Formação de professores, construção do saber profissional e cultura da profissionalização: que triangulação? In: ALONSO, L.; ROLDÃO, M. C. (Orgs.). Ser professor do 1º ciclo: construindo a profissão. Coimbra: Almedina, p. 13-25, 2005.

ROSA, C. de M.; ALVARENGA, K. B. Desempenho Acadêmico em Cálculo Diferencial e Integral: um Estudo de Caso. Revista Internacional de Educação Superior, v. 5, p. 1-16, 2019.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodología de la investigación. México: McGraw-Hill, 1991.

SANTAROSA, M. C. P.; MOREIRA M. A. O Cálculo nas aulas de Física da UFRGS: um estudo exploratório. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 2, p. 317-351, 2011.

SANTOS, E. G. dos. Diagnóstico dos casos de aprovação nas disciplinas de Cálculo Diferencial e Integral I e II do Curso de Licenciatura em Química - UNESP de Araraquara. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Química) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

SILVEIRA, D. Em sete anos, aumenta em 32% a população que se declara preta no Brasil. Portal G1, Rio de Janeiro, seção Economia, 22 de maio de 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/05/22/em-sete-anos-aumenta-em-32percent-a-populacao-que-se-declara-preta-no-brasil.ghtml. Acesso em: 12 de mar. de 2021.

SOUZA JUNIOR, A. J. Trabalho coletivo na universidade: trajetória de um grupo no processo de ensinar e aprender cálculo diferencial e integral. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Tradução: Francisco Pereira. Petrópolis: Vozes, 2002.

TORRES, T. I. M.; GIRAFFA, L. M. M. O Ensino do Cálculo numa perspectiva histórica: Da régua de calcular ao MOODLE. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, v. 4, n. 1, p. 18-25, 2009.

ZLUHAN, M. R.; RAITZ, T. R. Um estudo com jovens: transição do Ensino Médio ao Ensino Superior. X ANPED SUL, Florianópolis, out. 2014.
Publicado
2021-09-30
Como Citar
Guio, T. C. da C., & Barcellos, L. da S. (2021). ELEMENTOS ASSOCIADOS À RETENÇÃO EM CÁLCULO I: A PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DO CURSO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Revista Paranaense De Educação Matemática, 10(22), 336-362. Recuperado de http://revista.unespar.edu.br/index.php/rpem/article/view/1165
Seção
Artigos Científicos