TRABALHANDO COM PORCENTAGEM A PARTIR DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA ESTRUTURADA NA PERSPECTIVA DAS METODOLOGIAS ATIVAS

  • Juliana Medeiro Dantas
  • Raquel Aparecida Souza

Resumo

A matemática é uma ciência muito presente em nosso cotidiano; porém, a maneira como vem sendo trabalhada como disciplina nas escolas, em muitos casos, pode não ser bem aprendida pelos alunos pois alguns acabam estabelecendo relações de medo e insegurança com ela. Dentre as possíveis razões para que isso ocorra, pode-se apontar o fato de como o ensino de matemática tem sido desenvolvido há muitos anos, na maioria das escolas brasileiras, em que é dada extrema importância às respostas e fórmulas prontas e não são muito exploradas práticas e ações para que os alunos desenvolvam a curiosidade e busquem encontrar as respostas, a partir de situações vivenciadas por eles. A partir dessa problemática compreende-se que é importante se repensar e propor atividades que propiciem uma aprendizagem significativa e ativa para o aluno. Assim, esse trabalho apresenta o relato de uma experiência que teve como objetivo geral compreender como as propostas de ensino e aprendizagem com metodologias ativas contribuem para um processo mais dinâmico e significativo na disciplina de matemática do ensino fundamental. Como perspectiva metodológica o estudo se pautou numa abordagem qualitativa associando o relato de experiência que desenvolveu uma sequência didática para trabalhar o conteúdo de porcentagem, a partir de cinco atividades. Os resultados apontam que as atividades proporcionaram momentos de pesquisas, discussões, estimularam a exploração de ideias e hipóteses, bem como a busca por respostas. De forma geral contribuiu para que o processo de ensino e aprendizado sobre conceitos de porcentagem se mostrasse mais interessante e dinâmico.

Referências

BACICH, L., MORAN, J.M. (Orgs.), Metodologias ativas para uma educação inovadora. Porto Alegre, RS: Penso Editora, 2018.

CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória. In: FIGROTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo, Cortez, 2010.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

GRANOVSKY, P. (2018). Zona de desenvolvimento proximal e formação profissional. Laboreal, 14 (2), 116-118. Disponível em: http://www.net-sa.pt/files/articles/116_118.pdf. Acesso em 20/02/2021.

MAZUR, E. Peer Instruction – a revolução da aprendizagem ativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

MORAN, J. Metodologias Ativas para Uma Aprendizagem Mais Profunda. In.: BACICH, L., MORAN, J.M. (Orgs.), Metodologias ativas para uma educação inovadora. Porto Alegre, RS: Penso Editora, 2018.

RAMOS, T. L.; SOUSA, R. P.; ALVES, J. B. Sistemas de B-learning e sua aplicação no processo de ensino e aprendizagem. 2014. Disponível em: http://goo.gl/41BlRE. Acesso em: 16/07/2020.

UFJF. Escrita Acadêmica. O relato de experiência, 2016. Disponível em: http://www.escritaacademica.com/topicos/generos-academicos/o-relato-de-experiencia/. Acesso em 11/01/2021.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Ed. Especial, n.4, p.79-97. 2014.
Publicado
2021-09-30
Como Citar
Dantas, J., & Souza, R. A. (2021). TRABALHANDO COM PORCENTAGEM A PARTIR DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA ESTRUTURADA NA PERSPECTIVA DAS METODOLOGIAS ATIVAS. Revista Paranaense De Educação Matemática, 10(22), 531-550. Recuperado de http://revista.unespar.edu.br/index.php/rpem/article/view/1161
Seção
Relatos de Experiência